sábado, 26 de dezembro de 2009

Reencarnação


Pensamento do dia:

“O mais engraçado da reencarnação é que mesmo não sendo você, continua sendo você”

(Filme: O céu pode esperar – Down to Earth, 2001)



Raciocinemos sobre o seguinte: durante seus atos e condutas, durante algumas conversas com seus amigos, no seu dia-a-dia... você possui uma identidade, independente de lembrar seu próprio nome, ou de lembrar de fatos ocorridos contigo. O que você é independe de suas lembranças. Porque o que você se tornou enquanto personalidade e caráter, passaram a ser algo intrínseco a você. Imagine que você mude algum dia para outra cidade distante; as pessoas que te virão a te conhecer terão acesso a quem você é independente de acontecimentos de seu passado, que elas não terão conhecimento. O que você é, para os outros, não está vinculado aos fatos passados, mas ao somatório deles presente em você. Você é o somatório de tudo que fez, tudo o que passou, tudo o que aprendeu, mesmo que não se lembre. Desta e de todas as outras vidas!


Tcha nana nanana



Vídeos como esse me mantém resoluto em continuar aprendendo a tocar violão!

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Papai Noel militar?



Acho que Papai Noel é algum tipo de militar aposentado.
- Usa gorro
- Usa gandola
- Usa coturno
- Leva os presentes em um "saco VO"
- Viaja muito...

Alguma dúvida?


Quem quiser ler um pouco sobre a história do personagem "Papai Noel", clique aqui.
Bom Natal!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Médicos e cabeleireiros

Recebi o seguinte texto por e-mail, depois encontrei o site do autor com o original:

- Como está agora?
- Bem melhor.
- Precisa cuidar direitinho. Tome cuidado, ok?
- Pode deixar.
- Te vejo no mês que vem?
- Com certeza.
- Quer deixar marcado?
- Melhor não. Não quero prender seu horário. Depois eu ligo e marco com mais certeza.
- OK. Até lá!
- Até…

Este foi meu último diálogo com um profissional que vejo quase todos os meses. Felizmente, não sofro de nenhuma doença crônica que precise de acompanhamento periódico. Nem tampouco sou hipocondríaco ou faço exames regulares com receio de algum mal maior. Este foi apenas um fragmento de conversa com o profissional com quem corto o cabelo há mais de 10 anos.

Saindo do salão deixei um cheque no valor de R$ 40,00 referentes ao corte e mais 10% de gorjeta, como meu pai me ensinou: ‘Filho, estes profissionais ficam bem mais motivados a trabalhar, se você demonstrar satisfação’

Chegando ao consultório me deparo com uma situação constrangedora onde uma paciente recusava-se fornecer seu cartão do plano de saúde para ser feita a cobrança junto à seguradora, pois alegava que era retorno de consulta, onde ela apenas teria vindo para mostrar os exames que eu pedira há 2 meses atrás. Para contornar a situação, acabei orientando que não fosse feita a cobrança e que a atenderia assim mesmo. Afinal, poderia dar a impressão que eu estaria sendo mercenário ou que minha atitude não era digna de um médico com mais de 20 anos de formado. Ao deitar para dormir à noite, algo me inquietava e afugentava o sono.

Eu pagara R$ 44,00 ao cabeleireiro e, no mesmo dia, tivera recusado pela paciente uma cobrança de R$ 34,00 referentes a uma consulta médica para avaliar alguns exames, que me orientariam na conduta frente a um diagnóstico de câncer e sua possibilidade de cura.

No mês seguinte, voltei ao salão para cortar o cabelo com um pouco menos de entusiasmo. Considerando o investimento em formação técnica e profissional, proporcionalmente, se eu recebo R$ 34,00 por uma consulta, deveria pagar não mais do que R$ 5,00 para cortar o cabelo.

Conversando com o Lúcio, ele me dizia que fizera um curso de 1 ano em escola de cabeleireiros, que vai anualmente a congressos para conhecer novas técnicas, novos produtos e se atualizar nos cortes da moda. Disse que tem que trabalhar até as 20 horas e também aos sábados. Realmente fiquei orgulhoso em saber que meu profissional é um sujeito atualizado.

Novamente a inquietude me tomou de assalto e não pude deixar de me comparar ao Lúcio. Certamente ele não tem curso superior. Nem tampouco pós-graduação. No entanto, isto não o faz uma pessoa menor. Maneja muito bem a tesoura e a máquina e dá o que o cliente quer: satisfação. Valoriza seu trabalho e investe na profissão.

Voltei a pensar em mim.

Ele está certo. O que motiva então esta comparação entre um médico e um cabeleireiro?

Vejamos: ambos temos clientes. Os dele são mais fiéis do que os meus, pois os meus vieram até mim por intermédio do livrinho do convênio. Os dele são 100% particulares. Nós dois cuidamos da saúde das pessoas, claro que ele cuida dos cabelos e eu do resto. Vestimo-nos de branco impecavelmente. Manejamos a tesoura com habilidade. Está certo que as estruturas que eu corto, normalmente, sangram e doem, mas temos que ter certa habilidade para tanto. Em alguns momentos usamos luvas e máscaras, para nos proteger e até proteger o cliente. Trabalhamos bastante. Às vezes temos que atender em 15 minutos, mas normalmente damos conta do recado, neste período. Precisamos de infra-estrutura como pias, cadeiras, telefone, secretária, agenda, café, revistas, sala de espera, etc. Pagamos impostos sobre o serviço realizado. E quantos…

E nossas diferenças? Bem, fiz a faculdade em 6 anos, após muito estudo para enfrentar um dificílimo vestibular. Diploma em mãos, foi pra gaveta, pois nova prova era necessária para fazer uma especialidade, desta vez com funil ainda mais apertado. Mais 3 anos se foram. Aos meus 27 anos de idade, eu havia passado 1/3 deles na Santa Casa de São Paulo. Daí comecei a trabalhar como plantonista, diarista, funcionário e até professor, para finalmente montar meu próprio consultório. Clientes particulares não existem para médicos pobres mortais da minha geração. Devem estar sendo cuidados pelo IBAMA, para ver se se reproduzem em cativeiro.

O jeito é fazer alguns convênios, pois hoje ninguém que tenha algum recurso financeiro quer ser atendido pelo SUS. E, a julgar pelas moças bonitas e pelos homens de meia idade esbanjando saúde que aparecem nas propagandas, o plano de saúde deve ser uma maravilha. Descobriram a fonte da juventude !

Na outra ponta estamos nós, médicos de meia idade, recebendo valores que variam de R$ 18,00 a R$ 42,00 por consulta para decidir sobre a sua saúde, caro leitor. E não para por aí: se formos falar em cirurgias então, a coisa fica pior. Você pode não saber, mas se o seu plano de saúde te dá direito a quarto coletivo (enfermaria) o médico que faz a sua cirurgia recebe metade do valor combinado. Você deve estar se perguntando porquê? E nós também. Alguns exemplos: uma cirurgia comum como a amigdalectomia paga entre R$ 60 e R$ 85,00 se for plano enfermaria e, pasme, o dobro disto, se for plano apartamento. Isto você não sabia quando fez o plano, não é ? E por aí vai: apendicectomias, partos, hérnias, histerectomias, tireoidectomias pagam em torno de R$ 300 a R$ 450,00 no melhor plano.

E você achava que seu médico ganhava bem, né ?

E os Pediatras, Clínicos, Reumatologistas, Pneumologistas, Cardiologistas que não fazem cirurgias ? Ganham o quê? Consultas e apenas consultas…

Detalhe importante: cada vez que eu vou ao Lucio, eu pago. Se o paciente voltar em menos de 30 dias, o convênio não paga. Se vier uma ou dez vezes em um mês, o médico recebe apenas uma consulta. E aquela paciente não quis me deixar cobrar uma nova consulta após dois meses, para ver seus exames. Duas consultas por R$ 34,00 sai em média R$ 17,00 cada uma, fora os impostos.

No salão do Lucio também tem manicure e pedicure. Mão e pé sai pela bagatela de R$ 30,00, mas eu não faço lá. As mulheres gastam bem mais em seus cabelos com tinturas, escovas, banhos de óleo, chapinhas, etc e nada disso sai por menos do que….. uma consulta médica. Não que não devam fazer. Acho que devem se cuidar, se enfeitarem e serem vaidosas, com moderação. Apenas quero alertar para o conflito de valores. Nem vou comentar sobre preço de depilação sob pena de entrar em profunda depressão.

Outros serviços, como ‘quick massage’, tem se popularizado nos shoppings. Meia hora por R$ 30,00. Sem impostos, recibos, notas fiscais, títulos de especialista, vigilância sanitária, conselho regional, associações de classe, sindicatos e convênios. E se voltar no dia seguinte, paga de novo.

Enfim, existe o problema e muitos médicos têm vergonha de falar sobre isto. Alguns querem manter a pose de ricos e bem sucedidos, quando na verdade estão mesmo é falidos.

Eu deixei de atender convênios e parei de ter insônia por este motivo. Agora o motivo é outro: como vou fazer para pagar minhas contas, se todos os pacientes querem passar com o ‘médico do convênio’ ?

Fonte/autor: (Dr. Alexandre Hamam, Médico da Santa Casa de São Paulo)

É a mais pura realidade, infelizmente. Eu mesmo, trabalhei por um tempo em uma Clínica psiquiátrica onde, entre outras atividades, eu atendia consultas ambulatoriais, a maioria delas por plano de saúde. Os planos pagavam entre 18 e 40 reais, e a clínica me repassava 30% do valor de cada consulta. Ou seja, eu recebiam por consulta, entre R$ 5,40 e R$ 12,00 reais... os pacientes gastam mais comprando uma promoção do MC' Donald do que recebe um profissional médico numa consulta. Um mecânico, um eletricista, um técnico de computador... não trabalha por menos de 60 reais, ainda que o serviço dure menos de 1 hora, com equivalência à uma consulta médica.

Não vou negar que ganha-se bem na medicina, no final das contas, mas às custas de um somatório de vários empregos, plantões, ambulatório... o que fica para se pensar é a desvalorização de um serviço vital. A banalização de algo muito delicado e precioso. Sua vida vale quanto?

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

18 graus





Hoje fui cortar cabelo. Em Tefé o dia amanheceu nublado, choveu um pouco de tarde, mas ainda assim estava um dia quente.




(Barbeiro) - Tá friozinho hoje, né?
(Eu) - ...
(Barbeiro) - Sabia que há 10 anos mais ou menos, teve um dia que fez 18 graus aqui em Tefé? Todo mundo ficou tremendo!
(Eu) - ...!


18 graus? Rs...
Minha cidade natal, Petrópolis, deve fazer isso quase toda noite! Rs.
Hoje descobri que 18 graus é o super frio da região próxima ao equador!
E isso mostra o aquecimento global! Há mais de 10 anos a temperatura não desce consideravelmente por aqui. Pelo menos segundo o meu barbeiro!

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Não e sim


Pensamento do dia:

"Quando disser não, explique o seu não.
Quando disser sim, cumpra o seu sim"

(Ouvi numa entrevista na televisão, não sei o autor)

domingo, 13 de dezembro de 2009

Espiral no céu da Noruega

No último dia 10 de dezembro deste ano, no norte da Noruega, por volta das 7:45 no horário local (4:45 em Brasília), uma luz espiral azul, “maior que a Lua”, foi observado, fotografado e filmado por diversas pessoas.

O objeto não identificado surgiu deixando um rastro luminoso azul, mas instantes depois parou e ficou girando no mesmo lugar, formando uma espiral branca. Alguns sites dizem que o fenômeno durou 2 minutos, outros falam em 12 minutos.

Não há explicação oficial sobre o acontecimento.

Várias teorias surgiram para explicar o estranho fenômeno. A tentativa por parte dos cientistas locais está em dizer que teria sido a falha no teste de um míssel Bulava, disparado por um submarino nuclear Russo no Mar Branco. Erik Tandberg, consultor do Centro Espacial da Noruega, disse que a agência foi inundada com telefonemas sobre a origem da luz. Dentro de horas ele disse que a agência concluiu que era um míssil russo falho. Tandberg disse que uma combinação de circunstâncias fizeram a luz ficar claramente visível. A cor azul vinha de gases do míssil iluminados pelo Sol; e o aspecto do céu, muito claro e frio, ajudou na visualização. O Ministério da Defesa da Rússia confirmou que a Marinha do país lançou um míssil no mesmo dia, e que ele falhou no terceiro estágio de sua trajetória. Também informou que o míssil partiu do submarino nuclear Dmitry Donskoi.

Mas o ministério russo não comentou sobre o local exato do veículo no momento do disparo e se recusou a fazer qualquer conexão com a luz misteriosa. Por enquanto, nenhuma autoridade militar russa se manifestou sobre o caso.

Eu gostei do comentário deste americano:

The missile theory is that a submarine, the Dmitri Donskoy, launched the Bulava missile from the White Sea early that morning. The attached picture 1 was taken in Tromso, Norway. So the people that claim this is a missile want me to believe that if I were to follow the blue trail to its source it would be 700 miles away - in the White Sea? The atmosphere is about 30 miles thick, therefore, the missile traveled at an angle that put it 700 miles away, before it reached 30 miles up? Do you realize how shallow of an angle that is? If I were to look up details about missiles, I guarantee intercontinental ballistic missiles (ICBM) are not launched at those types of angles.
theworldriver.blogspot (dot com) - John, Boulder, CO - USA

Outras explicações falam em lasers (plausível, se o céu estivesse com neblina ou nuvens), canhões de luz (idem ao anterior), ou a aparição de um OVNI (eu sempre voto nesta opção!).

Os mais sensacionalistas dizem que foi um “sinal”, relacionam com o fim do mundo e com “2012”. Mas o melhor comentário que eu ouvi: “isso foi Deus dando descarga na Terra!”

No dia seguinte ao fato, na mesma cidade, seria a entrega do Nobel da Paz ao presidente americano, Barak Obama (eu me recuso a comentar esse fato).

Agora, meus caros leitores, pensemos bem: quando vocês já viram um míssel explodir e causar com os seus gases uma espiral de luz que gira mantendo um centro fixo, e que abre a fecha seu foco?

Vendo as imagens eu sou obrigado a ficar com a hipótese do laser/canhão de luz. Ou ninguém notou o feixe vindo de um ponto fixo na terra, como no “sinal do Batman”?

Tirem suas próprias conclusões:



sábado, 12 de dezembro de 2009

Atendente e escatologia


Fiquei até 4 da manhã vendo um filme (ruim) na globo. Como hoje era sábado e eu não tinha obrigações no quartel, previ dormir até meio dia.
Nove da manhã toca um de meus celulares, o da claro, com o número do Rio (o outro é de Tefé).
Olho no visor e não reconheço o número. Atendo.
- Bom dia! O senhor gostaria de contratar uma linha fixa da Oi?
(Penso num palavrão, mas respondo educadamente...)
- Não, obrigado. Não estou no Rio, estou numa cidade no interior da Amazônia em serviço para o exército.
(Ele deve ter pensado: "nunca ouvi uma desculpa tão absurda!" Ele continua...)
- Então não quer contratar nosso serviço de celular?
(Eu, com sono, irritado...)
- Não, meu amigo, tô no meio da selva com o exército, já tenho celular, e pelo próximo ano não tenho como contratar nada!
(Fim do telefonema)

Raios! Perdi o sono depois disso e não consegui voltar a dormir.
Malditos vendedores de serviços por telefone.

Ok... essa história não tem muita graça! Mas é minha forma de desabafar!

Mudando de assunto...
Lembrei do vídeo abaixo esses dias. Em parte pelo fato de que em Tefé, uma das coisas que mais atendemos são as gastroenterites (diarréias e vômitos). Ontem mesmo um paciente senta-se no consultório e me fala com naturalidade:
- "Doutor, desde essa noite eu tô cagando muito! Tudo mole..."
Um vídeo escatológico para vocês.



Dose única


Outro dia um paciente veio tirar uma dúvida comigo (fato real)

- Doutor, outro dia eu tive uma dor aqui (aponta para a região inguinal) e me deram uma injeção de um remédio que disseram que servia pra muita coisa, e que me deixou sem dor nenhuma! Eu queria saber que remédio foi esse. Ele se chamava "dose única"

(Fiz alguns segundos de silêncio reflexivo, com a testa franzida)

- Não lembra de mais nada no nome do remédio não?

- O nome era esse, doutor! Dose única! O senhor não sabe que remédio é esse?

- Tem muitas medicações desta maneira, em dose única... deve ter mais algum nome...

- Não doutor, era "dose única" o nome. Que pena que o senhor não conhece...!
(É mesmo uma pena! Rs...)



Pensamento do dia:

"Quando as portas da percepção forem abertas, veremos tudo como realmente são: infinitas"

(Baseado em citação de William Blake e Aldous Huxley).






quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Embrulhos


Faz algum tempo, eu havia lido uma história mais ou menos assim:

Era uma vez um jovem, muito doente que poderia morrer a qualquer momento.
Um dia decidiu sair sozinho e caminhou algumas quadras de sua casa olhando as vitrines e as pessoas que passavam.
Ao passar por uma loja de discos, notou uma moça, que parecia ser feita de ternura e beleza.
Foi amor a primeira vista. Entrou na loja olhando para sua amada.
Quando ela o viu deu-lhe um sorriso e perguntou se poderia ajudar em alguma coisa.
Era o mais lindo sorriso que ele já havia visto e a emoção foi tão grande e forte que mal conseguiu dizer que queria comprar um CD. Pegou o primeiro que viu na frente e disse " é esse aqui".
"Quer que embrulhe pra presente?", perguntou ela, sorrindo.
Ele mexeu a cabeça dizendo sim. Pegando o pacote,saiu, porém louco de vontade de ficar por ali.
Daquele dia em diante, todas as tardes voltava à loja de discos e comprava um CD qualquer.
Todas as vezes a garota saia do balcão e voltava com um embrulho cada vez mais bonito, que ele guardava no closet, sem nem mesmo abrir.
Ele estava apaixonado,mas tinha medo da reação da moça.
Muitos dias depois,cheio de coragem, comprou um CD e como sempre ela foi embrulha-lo.
Quando ela já havia saido, o garoto escreveu em um papel o nome dele e o telefone, deixou no balção e saiu correndo.
No dia seguinte o telefone tocou, e a mãe do jovem atendeu. Era a garota da loja perguntando dele.
A mãe desconsolada, chorando perguntou a ela: "Você ainda não sabe? Ele faleceu essa manhã".
Mais tarde ao entrar no quarto do filho e olhar suas roupas ficou surpresa com a quantidade de CD's todos embrulhados.
Curiosa abriu um e um pedaço de papel caiu onde estava escrito: "Você é muito simpático, não quer me convidar pra sair? Eu adoraria"....


Provavelmente falta "a moral da história" nessa versão que encontrei.
Lembro que quando li esse texto há alguns anos, fiquei tocado, imaginando-me na história (sempre temos a tendência de nos transportarmos para o que lemos), e sentindo o sarcasmo do destino no final trágico. Ainda
hoje acho que finais felizes no amor, somente em contos, histórias e poesias. Sábio Vinícius ao dizer "eternamente enquanto dure". Mesmo as eternidades são efêmeras.
Estão me achando pessimista hoje? Ok. Abram todos os pacotes daqui pra frente. Simples assim!

Para quem se perguntou "Por que a foto da 'Kate' da série LOST no início do post?", algumas explicações possíveis. Eu compraria vááários CD's em uma loja onde ela trabalhasse. O post ficou mais bonito. E em terceiro lugar, porque eu quis! Rs.

Enquanto isso em em algum lugar no meio da selva amazônica: hoje não acabou a luz. Choveu um pouco, como todos os dias aqui pela selva. Chove todo dia pelo menos 5 minutos. Vendo o noticiário na TV, vi que Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande estão afundando pós chuvas. Tenho a impressão que o mundo poderia acabar e Tefé estaria na mesma paz e rotina, isolada e protegida pela selva Amazônica. Que o poder das samaúmas nos mantenha! Rs.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Poemas que eu gostaria de ter escrito...



"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
(E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a por umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.

Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.
Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer,
E não tivesse mais irmandade com as coisas
Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua
A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada
De dentro da minha cabeça,
E uma sacudidela dos meus nervos e um ranger de ossos na ida.

Estou hoje perplexo, como quem pensou e achou e esqueceu.
Estou hoje dividido entre a lealdade que devo
À Tabacaria do outro lado da rua, como coisa real por fora,
E à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro.

Falhei em tudo.
Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada.
A aprendizagem que me deram,
Desci dela pela janela das traseiras da casa.
Fui até ao campo com grandes propósitos.
Mas lá encontrei só ervas e árvores,
E quando havia gente era igual à outra.
Saio da janela, sento-me numa cadeira. Em que hei de pensar?

Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?
Ser o que penso? Mas penso tanta coisa!
E há tantos que pensam ser a mesma coisa que não pode haver tantos!
Gênio? Neste momento
Cem mil cérebros se concebem em sonho gênios como eu,
E a história não marcará, quem sabe?, nem um,
Nem haverá senão estrume de tantas conquistas futuras.
Não, não creio em mim.
Em todos os manicômios há doidos malucos com tantas certezas!
Eu, que não tenho nenhuma certeza, sou mais certo ou menos certo?
Não, nem em mim...
Em quantas mansardas e não-mansardas do mundo
Não estão nesta hora gênios-para-si-mesmos sonhando?
Quantas aspirações altas e nobres e lúcidas -
Sim, verdadeiramente altas e nobres e lúcidas -,
E quem sabe se realizáveis,
Nunca verão a luz do sol real nem acharão ouvidos de gente?
O mundo é para quem nasce para o conquistar
E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão.
Tenho sonhado mais que o que Napoleão fez.
Tenho apertado ao peito hipotético mais humanidades do que Cristo,
Tenho feito filosofias em segredo que nenhum Kant escreveu.
Mas sou, e talvez serei sempre, o da mansarda,
Ainda que não more nela;
Serei sempre o que não nasceu para isso;
Serei sempre só o que tinha qualidades;
Serei sempre o que esperou que lhe abrissem a porta ao pé de uma parede sem porta,
E cantou a cantiga do Infinito numa capoeira,
E ouviu a voz de Deus num poço tapado.
Crer em mim? Não, nem em nada.
Derrame-me a Natureza sobre a cabeça ardente
O seu sol, a sua chuva, o vento que me acha o cabelo,
E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha.
Escravos cardíacos das estrelas,
Conquistamos todo o mundo antes de nos levantar da cama;
Mas acordamos e ele é opaco,
Levantamo-nos e ele é alheio,
Saímos de casa e ele é a terra inteira,
Mais o sistema solar e a Via Láctea e o Indefinido.

(Come chocolates, pequena;
Come chocolates!
Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.
Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.
Come, pequena suja, come!
Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes!
Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folha de estanho,
Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida.)

Mas ao menos fica da amargura do que nunca serei
A caligrafia rápida destes versos,
Pórtico partido para o Impossível.
Mas ao menos consagro a mim mesmo um desprezo sem lágrimas,
Nobre ao menos no gesto largo com que atiro
A roupa suja que sou, em rol, pra o decurso das coisas,
E fico em casa sem camisa.

(Tu que consolas, que não existes e por isso consolas,
Ou deusa grega, concebida como estátua que fosse viva,
Ou patrícia romana, impossivelmente nobre e nefasta,
Ou princesa de trovadores, gentilíssima e colorida,
Ou marquesa do século dezoito, decotada e longínqua,
Ou cocote célebre do tempo dos nossos pais,
Ou não sei quê moderno - não concebo bem o quê -
Tudo isso, seja o que for, que sejas, se pode inspirar que inspire!
Meu coração é um balde despejado.
Como os que invocam espíritos invocam espíritos invoco
A mim mesmo e não encontro nada.
Chego à janela e vejo a rua com uma nitidez absoluta.
Vejo as lojas, vejo os passeios, vejo os carros que passam,
Vejo os entes vivos vestidos que se cruzam,
Vejo os cães que também existem,
E tudo isto me pesa como uma condenação ao degredo,
E tudo isto é estrangeiro, como tudo.)

Vivi, estudei, amei e até cri,
E hoje não há mendigo que eu não inveje só por não ser eu.
Olho a cada um os andrajos e as chagas e a mentira,
E penso: talvez nunca vivesses nem estudasses nem amasses nem cresses
(Porque é possível fazer a realidade de tudo isso sem fazer nada disso);
Talvez tenhas existido apenas, como um lagarto a quem cortam o rabo
E que é rabo para aquém do lagarto remexidamente

Fiz de mim o que não soube
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo
E vou escrever esta história para provar que sou sublime.

Essência musical dos meus versos inúteis,
Quem me dera encontrar-me como coisa que eu fizesse,
E não ficasse sempre defronte da Tabacaria de defronte,
Calcando aos pés a consciência de estar existindo,
Como um tapete em que um bêbado tropeça
Ou um capacho que os ciganos roubaram e não valia nada.

Mas o Dono da Tabacaria chegou à porta e ficou à porta.
Olho-o com o desconforto da cabeça mal voltada
E com o desconforto da alma mal-entendendo.
Ele morrerá e eu morrerei.
Ele deixará a tabuleta, eu deixarei os versos.
A certa altura morrerá a tabuleta também, os versos também.
Depois de certa altura morrerá a rua onde esteve a tabuleta,
E a língua em que foram escritos os versos.
Morrerá depois o planeta girante em que tudo isto se deu.
Em outros satélites de outros sistemas qualquer coisa como gente
Continuará fazendo coisas como versos e vivendo por baixo de coisas como tabuletas,

Sempre uma coisa defronte da outra,
Sempre uma coisa tão inútil como a outra,
Sempre o impossível tão estúpido como o real,
Sempre o mistério do fundo tão certo como o sono de mistério da superfície,
Sempre isto ou sempre outra coisa ou nem uma coisa nem outra.

Mas um homem entrou na Tabacaria (para comprar tabaco?)
E a realidade plausível cai de repente em cima de mim.
Semiergo-me enérgico, convencido, humano,
E vou tencionar escrever estes versos em que digo o contrário.

Acendo um cigarro ao pensar em escrevê-los
E saboreio no cigarro a libertação de todos os pensamentos.
Sigo o fumo como uma rota própria,
E gozo, num momento sensitivo e competente,
A libertação de todas as especulações
E a consciência de que a metafísica é uma conseqüência de estar mal disposto.

Depois deito-me para trás na cadeira
E continuo fumando.
Enquanto o Destino mo conceder, continuarei fumando.

(Se eu casasse com a filha da minha lavadeira
Talvez fosse feliz.)
Visto isto, levanto-me da cadeira. Vou à janela.
O homem saiu da Tabacaria (metendo troco na algibeira das calças?).
Ah, conheço-o; é o Esteves sem metafísica.
(O Dono da Tabacaria chegou à porta.)
Como por um instinto divino o Esteves voltou-se e viu-me.
Acenou-me adeus, gritei-lhe Adeus ó Esteves!, e o universo
Reconstruiu-se-me sem ideal nem esperança, e o Dono da Tabacaria sorriu."


Autor: Álvaro de Campos (heterônimo de Fernando Pessoa)


_______________________________________________

Uma das metas de minha vida: decorar este poema!


Enquanto isso em em algum lugar no meio da selva amazônica: a luz vai acabar daqui a 35 minutos. Não, meus caros, eu não me tornei um vidente. Cada setor da cidade fica sem luz por duas horas, todos os dias, em horários alternados, para economizar o óleo (ou sei lá o que) usado como combustível na usina termoelétrica de energia da cidade. Hoje, o setor que eu moro ficará sem luz das 22 às 24:00. É mole?

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Humildade

"Humildade"

Humildade vem do Latim humus que significa "filhos da terra". Refere-se à qualidade daqueles que não tentam se projetar sobre as outras pessoas, nem mostrar ser superior a elas. A Humildade é a virtude que dá o sentimento exato da nossa fraqueza, modéstia, respeito, pobreza, reverência e submissão.

Diz-se que a humildade é uma virtude de quem é humilde, quem se vangloria da sua mostra simplesmente que lhe falta. É nessa posição que talvez se situe a humilde confissão de Albert Einstein quando reconhece que “por detrás da matéria há algo de inexplicável”.

Por humilde também se pode entender a personalidade que assume seus deveres, obrigações, erros e culpas sem resistência. Assim, se pode dizer que a pessoa ou indivíduo "assume humildemente".

(Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Humildade - Imagem: http://www.nippojovem.com.br/kanji/index.php)

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Indo para Tefé


No dia 23 de setembro viemos para Tefé. Dentre as possibilidades para vir tínhamos ao menos 3. Avião, com custo aproximado de 500 reais, creio eu que seja um bimotor, e cuja viagem dura cerca de 2 horas. Barco, tipo um navio, que sobre o rio em aproximadamente 45 horas, onde pode-se comprar uma cabine, acho que por mais ou menos uns 300 ou 400 reais, ou levar a própria rede e pendurar em algum canto do barco, por algo em torno de 50 ou 80 reais. A terceira opção e a que escolhemos foi a lancha “ajato”, que chega em Tefé após 15 horas, com direito a almoço e TV à bordo.

Saímos de Manaus às 7 da manhã. Dormi quase que a viagem toda. Acordava de tempos em tempos para ver as maravilhas da paisagem amazônica nas margens do rio. A viagem foi mais ou menos confortável, o calor acaba sendo a parte mais desagradável. Imagine um ônibus, desses de excursão... é mais ou menos isso. As pessoas todas da região, muito simpáticas, puxando assunto, contando coisas, perguntando bastante. São todas muito menos desconfiadas do que no Rio, e mais dispostas a conversar. A comida na hora do almoço era uma caldeirada de peixe, bem apimentada, só para aumentar o calor!


O por do sol, magnífico, marcava a proximidade de nosso destino. Após longas horas, e muita floresta, chegávamos à uma pequena cidade. Já era noite e avistamos Tefé, e neste momento o coração bateu forte e apreensivo, pois estaríamos ali, relativamente isolados pelo próximo ano.


A lancha parou em uma espécie de porto flutuante, meio improvisada, onde várias pessoas aguardavam seus amigos e parentes. Um Major Médico nos aguardava para nos receber e dar as boas vindas. Deste “porto” à praia, uma tábua, algo bem improvisado, de causar impacto aos mais desavisados. Na praia, a areia branca e fina. Andamos até a rua asfaltada mais próxima, e fomos levados à casa do Major para um lanche, instruções e depois ao Hotel de Transito do Exército para pernoitarmos. O calor intenso foi então abrandado pelo ar condicionado do quarto do hotel, onde tivemos nossa merecida noite de sono.

domingo, 18 de outubro de 2009

TESTE!

Achei hilariante este e-mail que recebi.
Faça o teste!



Tabela Internacional de Graduação de Macho.

1 - ESPORTES

a.. Futebol, automobilismo, esportes radicais =
MACHO
b.. Boliche, voleibol =
TENDÊNCIAS GAYS
c.. Aeróbica, spinning =
GAY
d.. Patinação no Gelo, Ginástica Olímpica =
BICHONA
e.. Os mesmos anteriores, usando short de lycra =
BICHONA LOUCA

2 - COMIDAS

a.. Paca, capivara, javali =
CONAN
b.. Churrasco, Massas, Frituras =
MACHO
c.. Peixe e salada =
FRESCO

d.. Sanduíches integrais =
GAY
e.. Aves acompanhadas de vegetais cozidos no vapor =
BICHA ASSUMIDA

3 - BEBIDAS

a.. Cachaça, cerveja, whisky =
MACHO
b.. Vinho, vodka =
HOMEM
c.. Caipifruta =
GAY
d.. Suco de frutas normais e licores doces =
MUITO GAY
e.. Suco de açaí, carambola, cupuaçu, com adoçante =
PERDIDAMENTE GAY

4 - HIGIENE

a.. Toma banho rápido, usa sabão em barra =
LEGIONÁRIO
b.. Toma banho rápido, usa xampu e esquece das orelhas ou do pescoço =
MACHO
c.. Toma banho sem pressa e curte a água =
HOMEM
d.. Demora mais de meia hora e usa sabonete líquido =
TENDÊNCIAS GAYS PREOCUPANTES
e.. Toma banho com sais e espuma na banheira =
VIADAÇO SEM CURA

5 - CERVEJA

a.. Gelada e em grandes quantidades =
DESTROÇADOR
b.. Só cervejas extra, premium e importadas =
HOMEM FINO DEMAIS

c.. Só uma às vezes para matar a sede =
BICHICE SOB CONTROLE
d.. Com limão e guardanapo em volta do copo =
BICHA
e.. Sem álcool =
GAZELA SALTITANTE

6 - PRESENTES QUE GOSTA DE GANHAR

a.. Ferramentas =
OGRO
b.. Garrafa de whisky =
MACHO
c.. Eletrônicos, informática, roupas de homem =
HOMEM MODERNO
d.. Flores =
VIADO

e.. Velas aromáticas, perfumes,doces caramelados, bombons =
DONZELA VIRGEM

7 - CREMES

a.. Só creme dental =
GORILA
b.. Protetor solar só na praia e piscina =
HOMEM MODERNO
c.. Usa cremes no verão =
BICHA FRESCA

d.. Usa cremes o ano todo =
BICHONA TOTAL

e.. Não vive sem hidratante =
CONSTA NA FILA DE ESPERA DA OPERAÇÃO PRA TROCA DE SEXO

8 - ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO

a.. Só dinossauros =
BRUTO
b.. Tem um vira-lata que come restos da comida =
HOMEM
C.. Tem cão de raça que só vive dentro de casa e come ração especial =
BICHA
d.. O cão de raça dorme na sua própria cama =
BICHONA TOTAL
e.. Prefere gatos =
TOTALMENTE PASSIVA

9 - PLANTAS

a.. Nem pra comer =
TROGLODITA
b.. Come algumas de vez em quando =
RAMBO

c.. Tem umas no quintal, mas nem são regadas =
HOMEM
d.. Tem plantinhas na varanda do apartamento =
VIADO

e.. Rega, poda e conversa com as flores do jardim =
BICHONA PERDIDA

10 - RELAÇÃO COM ESPELHO

a.. Não usa =
VIKING
b.. Usa para fazer barba =
MACHO
c.. Admira sua pele e observa seus músculos =
GAY
d.. Idem c, e ainda analisa a bunda =
LOUCA
e.. Admira-se com diferentes camisas e penteados =
TRAVECO

11 - PENTEADO

a.. Não se penteia ou raspa tudo =
SELVAGEM
b.. Só se penteia pra sair à noite =
HOMEM

c.. Penteia-se várias vezes ao dia =
FRESCO
d.. Pinta o cabelo =
BICHONA TOTAL
e.. Dá conselhos de penteados =
BELA ADORMECIDA

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

AMAZÔNIA - parte 5

Manaus, em resumo.


Fomos muito bem recebidos em Manaus. Destaco a figura da Tenente Socorro como a principal responsável por nossa boa estadia por lá.


Manaus é uma cidade com a mesma estrutura que Rio ou São Paulo. Grandes avenidas, lojas de todas as principais marcas, grandes supermercados. Os shoppings são atrações a parte, muito bem projetados, suas arquiteturas derrubam os antiquados shoppings do Rio. Um deles tem até uma espécie de estufa com um pedaço de floresta dentro. Lojas nos shoppings vendem eletrônicos com maior variedade e melhor preço que no Rio. Apesar disso já não existe a "zona franca de Manaus". Os próprios habitantes se referem a ela como "zona fraca de Manaus". Em um dos dias me perdi entrando em um ônibus errado e no percurso para a zona industrial vi áreas gigantescas das fábricas, que ainda permanecem por lá, mas a venda de seus produtos acaba saindo pelo mesmo preço que em qualquer lugar do Brasil.


O turismo que tive oportunidade de fazer, conheci o Teatro Amazônas, com bela arquitetura e uma iluminação incrível à noite (imagem ao lado), casas de sucos com frutas que eu pouco ou não conhecia (comento sobre os sucos em outra oportunidade), o porto (de onde fiz fotos belíssimas), o mercado popular em frente ao porto, o centro da cidade, algumas igrejas... e talvez outros lugares que não me recordo agora.



Sobre o ecoturismo, passei por duas experiências interessantíssimas. A primeira dela foi pegar, junto com meus amigos médicos-militares, um barco e seguir até o encontro dos rios Negro e Solimões. Um passeio inesquecível, tendo em vista a divisão nítida do encontro das duas águas, uma mais barrenta e a outra mais escura, e em segundo lugar porque tivemos a rara oportunidade de mergulharmos ali, no encontro dos dois rios, e notar a diferença até mesmo na temperatura das duas partes! Diz o senhor que nos levou de barco que mergulhar ali dá "força"! Clicando na imagem dá para ver maior. Sou o da extrema esquerda.


Em outra oportunidade saímos em busca de jacarés. Nosso barco, em plana noite, embrenhou-se na floresta amazônica em um passeio inacreditável dentro de caminhos fluviais que adentravam a selva. Os sons dos animais, aves e insetos da floresta foram a sinfonia para a aventura de iluminar ao longe os olhos dos jacarés, no breu total e ir de encontro a eles na tentativa de capturas algum, com as mãos, para bater fotos e devolvê-lo à natureza. Me senti no Globo Reporter! Rs.






Na "orla" do rio, tem bares, pizzaria, comidas típicas.... Muitos bares e boates pela cidade toda. Não faltam opções de lazer.


Desvantagens de Manaus: o preço do taxi, onde uma corridinha sai por 30 reais ou mais (ah... e tudo deve ser negociado, nunca se esqueçam). Fácil fácil os taxistas te oferecem a corrida por um valor fechado, sem ligar o taxímetro, quando na realidade sairia mais barato se o taxímetro tivesse ficado ligado! Cuidado.
E o calor. Todo dia faz 40, 42 graus... um terror.

Enfim, eu recomendo Manaus turisticamente.


Enquanto isso, minha aventura militar continua em próximos capítulos!


SELVA!


quinta-feira, 17 de setembro de 2009

AMAZÔNIA – parte 4

Primeiro dia em Manaus, 17/09/09

2:22 hora local - 3:22 no Rio de Janeiro

Para chegar ao aeroporto do Galeão no Rio, saindo de Niterói, pegamos um engarrafamento infernal por conta de congestionamento na Av. Brasil. Quase perco o vôo! Já no aeroporto, minha mala excedeu em 12 Kg o peso recomendado de 23 kg. Paguei 135 reais de excesso de bagagem. A mulher do guichê perguntou: “por que todos vocês estão com excesso de bagagem”? A resposta foi muito simples: passar um ano longe de casa e colocar tudo o que será preciso em uma única mala não é nada fácil! A espada de oficial também foi despachada. Despedimo-nos de nossas famílias e embarcamos. Minha bagagem de mão foi considerada suspeita. Chamaram um rapaz que colocou um par de luvas e começou a revistar minha pasta em busca de “algo parecido com uma gaita” que foi visto no “raio X”. Tudo da pasta retirado, nada foi encontrado. “Deve ter sido sobreposição de imagem”. Vai entender.

Vôo tranqüilo, apesar do pouco espaço à bordo. De lanche, um copo de refrigerante, um mini bolinho e um mini saquinho de biscoitos salgados. Muito escasso! Uma das aeromoças, belíssima, não deixou ninguém a fotografar dizendo que poderia ser demitida. Exatas 4 horas de vôo até Manaus. Uma hora à menos no fuso horário aqui. Temperatura em plena madrugada em torno de 27 graus. Fomos muito bem recebidos por um Major muito simpático. Fomos trazidos de ônibus do exército para o Quartel onde ficaremos alojados temporariamente. No caminho foi-nos mostrado a margem do rio Negro, que possui uma calçada nos mesmos padrões das calçadas de Copacabana, “como se praia fosse”. Mas não foi possível ver o rio, só o calçadão. No alojamento do exército, beliches, ar condicionado e televisão. Já fomos avisados que as regiões estão precisando urgentemente da chegada dos médicos. Ficaremos o menor tempo possível em Manaus, apenas o necessário para vacinas e documentações, e iremos para Tefé em avião da FAB o mais breve possível.

(Postando de uma sorveteria com internet, com pouco tempo e pouca bateria...)

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Perigos da selva



Hoje cedo eu conversava com uma conhecida e comentei que provavelmente farei nas próximas semanas, em Manaus ou em Tefé (AM) o curso de adaptação/sobrevivência na selva. Ela então, com cara de horror, comentou:

"Meu Deus! E se você encontrar com uma cobra, um leão ou um tigre, o que você faz!"

Eu preferi permanecer em silêncio...

Calma leão. Se eu te encontrar na Amazônia te mando de volta pra África!


terça-feira, 15 de setembro de 2009

Promessa



Parto neste dia 16/09/09 para a Amazônia!
À minha família, aos meus amigos, à minha terra natal, um trecho da Canção do Expedidionário.


"Por mais terras que eu percorra,
Não permita Deus que eu morra
Sem que eu volte para lá,
Sem que traga por divisa
Este 'V' que simboliza
A vitória que virá..."


domingo, 13 de setembro de 2009

AMAZÔNIA – parte 3

CPOR-RJ

No dia 3 de agosto de 2009 começou o meu treinamento militar no CPOR-RJ (Centro de Preparação dos Oficiais da Reserva do Rio de Janeiro). Iniciamos o EAS (Estágio de Adaptação e Serviço), em uma jornada de aproximadamente 40 dias, onde 27 médicos, todos voluntários, sendo 5 mulheres e 22 homens, destes 9 voluntários para a região Amazônica e o restante para hospitais e policlínicas do Rio de Janeiro. Eu acordava todos os dias às 4:30 da manhã para fazer a barba, tomar banho, arrumar minha roupa e sair de Niterói em direção ao quartel localizado na Av. Brasil na altura de Bonsucesso. Instruções teóricas sobre leis militares, funcionamento de sua estrutura, hinos, cânticos, brados, ordem unida (como marchar, toques de corneta, comandos para o pelotão), instrução de tiro com pistola, uso de bússola para localização e progressão... enfim, muita informação para pouco tempo! Sem contar na prática diária de TFM (treinamento físico militar), que além de possuir um padrão de exercícios, fazíamos corridas “até o infinito e além” entoando brados e cânticos vibrantes. Na primeira semana meu corpo doía inteiro e o cansaço intenso fazia com que eu alternasse as horas no quartel com horas dormindo em casa. Com o tempo fui me acostumando ao ritmo, e os novos hábitos foram se incorporando no meu dia a dia. Tudo é costume e prática, meus caros. Ou como dizem por lá: só a prática exaustiva e a repetição leva à perfeição”!

Na terceira semana de treinamento passamos pelo treinamento acampados na Vila Militar. Aprendemos noções de sobrevivência no campo, transpor percursos de água, atravessar território inimigo de dia e à noite rastejando em solo, lama, lago, fizemos rapel, pista de cordas sobre o lago, percursos noturnos na mata com bússola... e outras tantas atividades de treinamento. A última semana foi de treinamento intenso para a formatura, que ocorreu no dia 11 de setembro de 2009, onde fomos declarados Aspirantes a Oficiais da Reserva, recebemos nossa espada de oficial e fizemos o juramento. A experiência destes últimos 40 dias foi inesquecível, tanto pelo treinamento em si, pela equipe de instrutores extremamente dedicada, quanto pelas pessoas que ali encontrei. Sofremos junto sob o sol, a chuva, o frio, a fome, o cansaço, mas nos divertimos muito, rimos bastante e levaremos todos na memórias as lembranças do inicio do nosso oficialato. BRASIL ACIMA DE TUDO!

Semana que vem embarcaremos para Manaus. Próxima etapa: treinamento na SELVA!


sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Memória e atenção do homem

"Um estudo realizado pela Universidade de Radboud (Holanda) e publicado no “Journal of Experimental and Social Psychology” concluiu que os os homens perdem capacidade de concentração e de raciocínio depois de manterem conversa com mulheres bonitas.

Quarenta estudantes do sexo masculino foram submetidos a testes de memória antes e depois de terem contactado durante sete minutos com uma pessoa do mesmo sexo e outra do sexo feminino. Os resultados provaram que quanto mais impressionados os homens ficavam, mais tempo demoravam a responder e menos acertavam as respostas dadas.

O estudo afirma que em situações semelhantes os homens mudam para um comportamento caracterizado pelo que denominam de “reprodução concentrada”, pois estão programados para transmitir os seus genes e só conseguem pensar em fazê-lo. Os mesmos testes realizados em mulheres revelaram que o poder de concentração e raciocínio não sofreu alterações."

Li esta notícia AQUI



Bom, na minha opinião, levando em conta a minha experiência como médico e meus estudos em psiquiatria...
















Erhhh... o que eu estava falando mesmo?

:-)